Voltar aos artigos
De Sujeito a Individuo
Publicado em 30/09/2010 às: 17:12:43

As pessoas são mais felizes quando permitem que seu “eu” aflore, e não quando se adaptam a imagens determinadas pelo externo, entendem-se, os outros. Um exemplo seria que alguns homens acreditam cegamente que devem ser durões (mas no íntimo não são) e algumas mulheres que acham que devem ser dóceis, frágeis, delicadas, etc., mas tem muita vontade de falar uns palavrões de vez em quando... Quem vive aprisionado em padrões que foram definidos a bilhões de anos atrás, sofre e faz com que outros sofram também.

Nos funerais vemos isso com muita clareza, mulheres chorando, umas de forma verdadeira colocando para fora toda a dor da perda, outras com tanta preocupação de borrar a maquiagem, (não vive o luto talvez acredite que tenha que ser delicada até para sofrer). Quanto aos homens muitas vezes percebemos que não estão suportando a dor, seja ela qual for, mas não soltam um ai, uma lágrima, talvez por acreditar que tem que ser forte, não pode revelar suas dores, e mais, a frase pré histórica que home não chora.

Um homem que sente vontade de chorar diante de uma grande dor mais não se permite fazê-lo porque aprendeu que deve ser durão não está sendo o que é. Está fingindo ser aquilo que acha que os outros esperam que ele seja. Uma mulher que se força a ser expansiva com os outros, porém preferiria em algumas fases da vida ser mais discreta, ou vice e versa, não é uma pessoa melhor, não se sente mais feliz, está agindo de um modo artificial.

É importante agir de forma que nos é natural, e não do modo que achamos que o homem ou a mulher devem se comportar. As nossas generalizações sobre os homens e mulheres freqüentemente são falsas e muitas vezes prejudicam a saúde mental.

Para deixar de ser um sujeito e evoluir a condição de individuo, uno lindamente planejado e executado por Deus é necessário ser verdadeiro, é necessário ouvir aquela voz, que fica lá no fundinho do ouvido, é necessário aprender a entender o que é aquele friozinho na barriga, ou aquele suor nas mãos.

Não há nada mais lindo que uma sociedade que respeita a individualidade de cada um, pois indivíduos respeitados são mais felizes. Pessoas mais felizes não são sujeitos aprisionados.

Uma sociedade com indivíduos verdadeiros é uma sociedade onde há possibilidade de se viver melhor com menos medo, com mais verdade.

 

 

                                                                  Márcia Maria de Sousa

                                                                                                      

É psicóloga, professora e especialista em terapia cognitiva e orientação profissional para adolescentes e adultos.

 Atua como psicóloga oficial voluntária na Diretoria de Ensino de Andradina.

Sua clínica esta localizada a Rua Vitório Guaraciaba 1674, fone 37236422.

                                                        www.desenvolvimentodepessoas.com.br                                                                                                                                              marciamaria@desenvolvimentodepessoas.com.br